Blog Pioneira

Agronegócio e criatividade: os resultados surpreendentes por onde os caminhos da arte podem nos levar

13/10/2020
Agronegócio e criatividade: os resultados surpreendentes por onde os caminhos da arte podem nos levar | Blog Sicredi Pioneira

Neste artigo, Glauco Schulz explica o desenvolvimento da Oficina Expressão e Expansão Criativa, módulo incorporado à terceira turma do programa de Sucessão Rural Familiar

Criado em 2017, o Programa de Sucessão Rural Familiar cumpre o papel de estimular a permanência de jovens, filhos de produtores rurais associados da Sicredi Pioneira RS, nas propriedades, a partir do incentivo à fonte de renda, qualificação da gestão e da governança nas atividades do agronegócio. Os encontros presenciais permitem o compartilhamento de experiências e o contato com temáticas variadas, divididas em nove módulos que englobam, desde tendências do mercado agrícola e industrial até motivação e gestão do tempo, Neste momento atípico que estamos vivenciando, talvez a terceira turma – iniciada em janeiro de 2020 – esteja sentindo mais fortemente os efeitos da pandemia do coronavírus. A programação precisou ser adequada aos critérios de distanciamento social para seguirmos em frente.

A proposta de formatar um módulo de conteúdo descontraído para promover reflexões e ações entre o grupo, a partir de expressões artísticas, relacionando-as ao bem viver e à melhoria das relações pessoais, já estava prevista. Porém, justamente num período sem precedentes como este, ela pode ser efetivada, atingindo um dos objetivos do programa e ainda valorizar as atividades empreendidas no campo, reforçando os laços entre os envolvidos. Ao planejar esse módulo, lembrei de uma oficina de teatro que participei com a atriz, produtora, diretora e roteirista Deborah Finocchiaro, que elaborou a programação da Oficina Expressão e Expansão Criativa especialmente para a terceira turma. Uma vivência virtual mediante a exposição dos diferentes caminhos da arte e do bem viver, onde os participantes, ao se tornarem mais conscientes das suas infinitas possibilidades criativas e de que, cada ato pode estar impregnado de “arte”, ampliaram e apresentaram suas capacidades expressivas. Assim como mantiveram relações mais saudáveis e generosas consigo e com os outros ao seu redor.

No primeiro encontro, chamado de “A Grande Arte está no Aqui e Agora - A Arte de Viver”, os grupos compactuaram com os conceitos da oficina, preparados por Deborah: o bom humor como elemento fundamental para saúde e os relacionamentos; valorizar a experiência pessoal como oportunidade de troca, cooperação e evolução; o prazer do ato criativo; reconhecer a criatividade e a imaginação como ferramentas de autodesenvolvimento; a comunicação como veículo de desenvolvimento pessoal e social; além da atenção plena. Não se trata apenas da atenção proveniente da meditação, aliás, foi um exercício que também propomos nesse dia. Mas, como bem disse Deborah: “essa coisa milagrosa que é nossa existência, estarmos 100% aqui e agora. Sempre que conseguimos nos conhecer melhor – no sentido de nos amarmos mais – nos tornamos cidadãos melhores, contribuindo com nosso entorno, com a sociedade que fazemos parte. Uma responsabilidade de todos”. Ela ofertou - a cerca de 20 pessoas, de nove famílias - expressões musicais, teatrais e poéticas; realizou exercícios e movimentos para aliviar tensões; trouxe experiências de comportamento em vídeo, trabalho corporal e entonação de voz, culminando no preparo para o segundo encontro.

Intitulado “Expresse a Sua Arte - Agora é a Sua Vez”, nesta fase da oficina as famílias tiveram a oportunidade de mostrar suas aptidões, expressar a sua arte, independentemente de qualquer manifestação. Seja cantar, ler uma poesia, ensinar uma receita de bolo ou de waffle, dar dicas sobre cuidado com animais, lavoura e mudas de frutas, tocar um instrumento musical (como violino e gaita de boca), conversar sobre seus propósitos de vida, apresentar trabalhos artesanais (a exemplo da produção de bonecas de pano e processo de feno), dançar coreografias típicas alemãs ou gaúchas. O resultado disso tudo? Uma manhã divertida e de muito aprendizado, com o engajamento expresso em 11 apresentações. Elas não eram obrigatórias, e nem poderia ser diferente, pois o intuito foi criar um clima de confiança, que fosse agradável a todos.

Sob um olhar diferente

Déborah Finocchiaro (bacharel em Interpretação Teatral na Faculdade de Artes Cênicas da UFRGS, 33 prêmios, entre o de Melhor Espetáculo, Melhor Texto Adaptado e Melhor Artista de Teatro. Foi a artista homenageada do 21º Festival Internacional de Teatro Porto Alegre Em Cena, ganhando a biografia “A Arte Transformadora”, escrita pelo jornalista Luiz Gonzaga Lopes): “Quando nos libertamos de nossos receios internos para expor nossa criatividade, expandimos enquanto seres humanos e melhoramos nossas relações. Desde o início, não tive dúvidas sobre o resultado da oficina. Ao nos relacionarmos de forma horizontal e humanizada, abrimos o espírito do outro, nos colocamos no mesmo lugar. É um processo de empatia, onde pudemos observar que todos passam por situações semelhantes e, ao final das contas, temos um desejo genuíno: ficar bem, sentir-se à vontade, ter nosso valor reconhecido! A confirmação da relação sincera e transparente, que permite revelar o interior do ser humano foi uma das melhores lições que tive ao participar desse trabalho com famílias tão preciosas. A arte é um caminho de transformações reais”.

*Glauco Schulz é professor de pós-graduação em Agronegócio e Desenvolvimento Rural, vinculado ao Deptº de Economia e Relações Internacionais da URGS. Atua na concepção programática do Sucessão Rural Familiar.