Blog Pioneira

O Pix chegou! Instantaneidade na forma de pagamentos ao alcance de todos

17/11/2020
O Pix chegou! Instantaneidade na forma de pagamentos ao alcance de todos  | Blog Sicredi Pioneira

Plataforma entrou ontem em operação. Transações podem ser feitas apenas nos aplicativos das instituições financeiras

O Pix chegou! Ontem, 16/11, entrou em operação para todos que fizeram o cadastro das chaves nos aplicativos das instituições financeiras, o meio de pagamento criado pelo Banco Central do Brasil (BACEN), em que os recursos são transferidos entre contas, a qualquer hora ou dia da semana (incluindo sábados, domingos e feriados), em até 10 segundos. A plataforma deve revolucionar o mercado de pagamentos, mesmo sem eliminar qualquer outro meio já existente, levando - a pessoas ou empresas - sua principal proposta: instantaneidade com segurança nas transações.

A segurança já se evidencia no cadastramento das chaves. Elas passam a ser o endereço da Pessoa Física ou Pessoa Jurídica/Agronegócio na instituição financeira, transmitindo as informações de suas contas à base de dados do BACEN, permitindo simplificar o processo transacional. Medidas de segurança, como formas de autenticação e criptografia, adotadas na realização de outros meios de pagamento, são aplicadas no Pix. E o que é melhor: o pagador e o recebedor terão contato com volume muito menor de informações sobre a conta, basta informar a Chave Pix, sem necessidade de digitar a agência, número da conta corrente ou nome completo do titular. “As transações serão criptografadas e rastreadas do início ao fim. O BACEN conseguirá intervir antes da liquidação de uma eventual fraude”, explica Ana Cristiane Machado, assessora de Negócios e Meios de Pagamento da Sicredi Pioneira RS, ao destacar que não há possibilidade dos envolvidos nas operações terem acesso ao saldo ou outras particularidades das contas de terceiros.

Portabilidade e Reivindicação

Se você tiver seu CPF como Chave Pix em outra instituição financeira e quiser transferi-lo à Sicredi Pioneira RS, saiba que é possível. Você precisará acessar o App Sicredi, na opção Pix, clicar em ‘Minhas Chaves’ e cadastrar essa mesma chave que está em outra instituição. Ao cadastrar, você será informado que ela já está registrada na instituição X e será questionado se deseja solicitar a portabilidade. Ao receber o pedido de confirmação da portabilidade no canal da sua instituição de origem, você deverá acessar o canal e autorizar a portabilidade. O prazo para confirmação é de sete dias e a chave solicitada passará a endereçar a conta do Sicredi. É uma funcionalidade semelhante à de uma operadora de telefonia celular. 

Mas e se você trocou o celular e esqueceu de excluir a Chave Pix? Meses mais tarde, outra pessoa recebe esse número antigo junto à operadora e vai cadastrá-lo como chave no Pix, por exemplo. Ao realizar o cadastro, essa pessoa será informada de que a chave já existe e se deseja solicitar a reivindicação de posse da mesma. Essa pessoa pode ser associada do Sicredi ou cliente de outra instituição. A partir daí, temos três possibilidades:

  1. Quem possuía o número de celular, confirma a ‘Reivindicação de Posse’, ou seja, informa que a chave pode ser portabilizada e esse número é da pessoa que está solicitando. Isto é, a detentora atual desse número. A Chave Pix passa a ser vinculada na conta do solicitante da reivindicação, pois é ele quem irá receber o SMS para dupla confirmação.
  2. Afirmar que a chave é sua. Então o processo é cancelado por indício de fraude e a chave continua com você.
  3. Não havendo confirmação alguma, se não houver indício de fraude, o sistema considera que a chave é de quem solicitou a reivindicação. O que pode acontecer é ela dar início à reivindicação de posse da chave.

Estorno X Devolução

O Pix não é passível de estorno, mas possibilita a devolução de valor. Caso o associado fizer a transferência equivocada de R$ 1000 no lugar de R$ 100, por exemplo, o favorecido deve entrar no aplicativo da instituição financeira, acessar a opção Pix, identificar suas movimentações, selecionar o valor excedente recebido e abrir a opção ‘Devolução’. Ele pode devolver tanto a diferença de valor (nesse caso, R$ 900) como a quantia integral.

Pagar, receber e transferir pelo Pix

Os aplicativos Sicredi foram atualizados no dia 16/11 para dispor as funcionalidades na opção Pix. Os pagamentos podem ser feitos por meio da Chave Pix, dados bancários ou por leitura de QR Code a partir de dois tipos de identificações: Simples e Personalizado, conforme divulgado na edição de 03/11 de nossa série de conteúdos.

As transações devem ser realizadas por meio do aplicativo Sicredi ou da instituição financeira em que o usuário tenha conta. “Não existe Pix em lojas de aplicativos. Não aceite, abra ou acesse links recebidos por e-mail, whatsapp ou SMS, que indiquem páginas duvidosas para transacionar com a plataforma”, alerta Ana Cristiane Machado.

Pessoas físicas e Microempreendedores Individuais (MEIs) estão isentos de tarifas para utilizar o Pix; enquanto Pessoa Jurídica e Agronegócio terão custos bem inferiores aos praticados em outros meios de pagamento. A instantaneidade, aliada à segurança de dados, deve promover maior celeridade e competitividade ao processo produtivo, contribuindo para que a economia gire mais rápido em tempos de retomada. Veja alguns exemplos:

  • Dona Maria, associada Pessoa Física, foi à feira no domingo, levando R$ 50 na bolsa. Animada com as ofertas em verduras, frutas e legumes, comprou mais que o pretendido. Para quitar a compra, ela recorreu ao Pix, que, por sorte, também havia sido cadastrado pelo proprietário da quitanda. Dona Maria levou para casa tudo o que desejava, quitou suas contas e o favorecido recebeu os recursos quase que imediatamente.
  • Sexta-feira, final de tarde: João, associado Pessoa Jurídica, estava organizando o fluxo de caixa de seu comércio de vestuário, quando percebeu a impossibilidade de liquidar todos seus títulos. A falta de crédito condicionaria pagamento em atraso com juros. Porém, efetuou uma venda por volta de 18h30min. O pagamento? Foi feito por meio do Pix, entrando o valor na conta da loja em 10 segundos, permitindo o aporte que João precisava para liquidar seus títulos, dentro do prazo de vencimento e livre de juros ou multas.
  • Seu Antônio, associado Agro, contratou 10 profissionais terceirizados para auxiliarem na colheita da safra de maçã. Compromissos na sua propriedade rural o impediram de ir até o banco, sacar recursos para efetuar o pagamento pelos serviços prestados. Todos tinham se cadastrado na plataforma, como Seu Antônio, que transferiu os valores correspondentes a cada um, garantindo um final de semana com contas em dia e mais tranquilidade para seus ajudantes.

Exemplos como esses dimensionam que o Pix chega como mais uma alternativa na forma de pagamentos, excluindo a necessidade de saber informações como nome completo ou onde a outra pessoa tem conta. A transferência pode ser feita a partir de um telefone na sua lista de contatos, usando a Chave Pix, sem limite de horário ou de dia da semana. Por sua estrutura compor menos intermediários, o custo de aceitação tende a ser menor. Por isso, é importante que o comércio local se prepare para poder contar com essa novidade, oferecendo-a como mais uma opção aos seus clientes, acompanhando a evolução do mercado. O Pix vai influenciar na menor circulação de valores, o que significa: reduzir a movimentação de dinheiro e custo mais baixo na emissão de moedas pelo BACEN. Em termos de benefícios empresariais? A agilidade da plataforma e seu caráter de alavancar a eficiência do mercado devem facilitar a própria gestão operacional e financeira das empresas. “A ‘cereja do bolo’ é a disponibilidade imediata de organizar o fluxo de caixa e de estoques, permitindo novo fôlego para o empresário pensar em outros investimentos no seu negócio”, frisa Ana Cristiane Machado.

O BACEN prevê adesão crescente à ferramenta e diminuição na circulação do dinheiro de 40% para 20% nos próximos três anos. O que não é motivo para considerar que os outros meios de pagamentos vão desaparecer. “Em 2019, o Brasil transacionou R$ 1,8 trilhões em compras no cartão de crédito, sendo que 65% desse valor foi na modalidade parcelada. Então, o brasileiro usa muito esse produto. Nesse primeiro momento, o Pix não terá essa opção”, sinaliza Ana, ao considerar que sua evolução será gradativa.

Quer saber mais sobre o Pix? Acesse o canal do YouTube da Sicredi Pioneira RS e assista à live “Pix: tudo o que você precisa saber”.